Comentarios del lector/a

Estantes Incentivam A Leitura Em Bairros Que Não Possuem Biblioteca

"Isaac" (2018-03-21)

 |  Publicar respuesta

A ideia da caixa-estante foi implementada ao Viagem pela Literatura, em 2002, com uma unidade. A partir de 2006, número foi aumentando até chegar às cinco atuais. De 2005 a 2011, as caixas-estantes foram responsáveis por 7730 empréstimos de livros em comunidades de Vitória que não possuem biblioteca.

Sempre procurei inserir algo de quadrinhos aqui na Collectors Room, e agora isso ficará ainda mais forte através da coluna Minha Estante, onde entrevistaremos colecionadores de quadrinhos e mostraremos os seus incríveis acervos, na linha do que já feito no Minha Coleção com os colecionadores de discos.

Carlo Carrenho é fundador e CEO do PublishNews. Formado em Economia pela FEA-USP, especializou-se em Edição de Livros e Revistas no Radcliffe Publishing Course, em Cambridge (EUA). Atualmente é advisor da Bookwire , Meta Brasil e da BR75 Como especialista no mercado de livros, já foi convidado para dar palestras e participar de mesas em países como EUA, Alemanha, China, África do Sul, Inglaterra e Emirados Árabes, entre outros.

Quadrinhos, HQs, Comics, Graphic Novels, Encadernados, Mensais, Gibis, Histórias em Quadradinhos, entre outros são os nomes dados a estas (Nem sempre) maravilhosas histórias ilustradas. Já as tivemos em diversos tamanhos diferentes, formatinho, gigante, especial, americano, entre um monte de outros tamanhos estranhos que só servem para dificultar a vida e a estante do colecionador de quadrinhos. Ah, colecionador de quadrinhos. Aquela figura que gosta tanto de uma história que não basta apenas lê-la uma única vez, ele precisa tê-la, abraça-la, ama-la e acaricia-la sempre que possível. Uma história, quando fascina, desperta verdadeiro amor e desejo, indiferente se a lombada está torta ou a ponta de uma página está dobrada. fã de quadrinhos os coleciona por gostar da história, dos personagens ou até mesmo do artista responsável pelo mesmo, não porque aquela edição valerá triplo do preço daqui a 20 ou 30 anos.

Houve tempos no qual coleção era coisa dos extremos da vida: ou matéria de crianças com seus bonés, álbuns de figurinhas e bolinhas de gude; ou distração de aposentados atrás de relíquias como moedas antigas e, ápice dos ápices, selos, muitos selos. Desde há muito tempo eu tinha desejo de comprar uma cristaleira. Ao pesar as questões levantadas acima sobre segurança, proteção e extensão das coleções eu logo decidi por essa opção. Eu vinha expondo as peças em uma estante para hot wheels aberta que logo se mostrou inadequada devido ao grande acúmulo de poeira sobre as figuras. Isso fez com que eu as guardasse e partisse à procura de uma cristaleira. Após rodar várias lojas em São Paulo (capital) pude perceber que os preços variavam grandemente e não eram tão atrativos. Depois de muito procurar decidi por um modelo que agregasse preço, estilo e proteção. Alguns critérios eram imprescindíveis para mim, dentre eles a possibilidade de se enxergar as peças de vários ângulos, ou seja, seria necessário a presença de vidros anteriores, laterais e se possível posteriores. Percebi, no entanto que a presença de "vidro" encarecia grandemente a cristaleira. Sendo assim tive que ajustar esse meu desejo ao preço.

A ideia de trazer HQs em formato encadernado, compilando algum arco ou evento das HQs, é muito interessante para os leitores já há algum tempo. Pensando racionalmente, a editora consegue encontrar e angariar público para a obra de um jeito mais fácil e, para colecionador, é a melhor forma de conseguir arcos completos de alguma história que, porventura, ele não possua nas edições mensais — mas, principalmente, para organizar melhor sua coleção. De fato, encadernado é um formato que é utilizado maciçamente em mercados como estadunidense e japonês, para auxiliar os leitores a catalogar suas publicações e a adquirir esses produtos editoriais com preço mais baixo do que comprando títulos mensais ou antologias (sejam elas mensais, como nos EUA, ou semanais, como no Japão ou na Inglaterra).

clássico de Himoru Arakawa também aparece na lista dos mais comprados. Foi 2º mangá mais vendido na Estante Virtual em setembro, 34º título na lista geral de quadrinhos. recente relançamento do mangá deve ter contribuído para isso, já que mais pessoas devem estar se desfazendo das edições antigas para comprar a nova, enquanto pessoas que não querem a nova versão (ou mesmo não sabem que existe uma nova) devem estar começando a adquirir a antiga.

Mas ok, você não quer pensar em quantos carrinhos vão caber em sua estante, até porque existe a opção de acondicioná-las em caixas e outros lugares… Você está certo, pode ser que não seja momento de pensar sobre isso, mas uma coisa você deve saber: Miniaturas que pegam pó estragam com passar do tempo, portanto prefira prateleiras ou expositores fechados, que também ajudam a proteger de mãos" indesejadas.

Por causa da catalogação no Guia dos Quadrinhos, tenho dado prioridade às edições brasileiras. Mas tenho muita coisa gringa sim. Da França, Argentina, Uruguai, Portugal, Inglaterra, Dinamarca, Rússia, Cuba, Peru. As pessoas costumam me trazer quadrinhos dos países que visitam e eu adoro receber esses presentes, é legal para entender como essa cultura dos quadrinhos funciona por lá.

Añadir comentario